PAISAGISMO - O PRIMEIRO PASSO


Quando a gente procura o paisagismo (em seu sentido amplo) como profissão e até como forma de lazer é inquestionável que se trata de uma necessidade de estabelecer um contato maior com a natureza. 

Compramos, inicialmente, flores para vasos, palmeiras para caminhos, arbustos para cantos, gramas para extensões verdes, móveis para as áreas externas e assim sucessivamente. Desejamos criar novas formas de a natureza estar ao nosso lado, a fim de que sejamos cativados pela sua beleza e serenidade.

Almejamos escutar os sons dos pássaros, sentir os aromas das flores e visualizar o jogo de luzes entre os galhos e as folhas das árvores. Ocorre tudo dentro de um contexto inicial contemplativo ou meramente decorativo. No começo, talvez seja mais do que isso.

No entanto, é preciso reconhecer que o paisagismo é mais do que uma bela arte, e sim um chamado. Trata-se de um "caminho iniciático de uma escola de livre conhecimento e associação, cujos iniciados recebem vestes verdes reluzentes, que denotam o interesse de participar, inicialmente, de um processo curativo. E assim promover a reaproximação" (visão espiritualista - não tradicional - do paisagismo). 

Para entender melhor toda essa simbologia, seria prudente analisar as nuances da física quântica, estudar a filosofia oriental e mergulhar na cultura de outros povos. A partir dessa compreensão extensiva, percebe-se que a arte de planejar jardins é um estágio inicial, que inspira a busca por novos aprendizados.

Em regra, são empregados diversos estilos de paisagismo que procuram reproduzir culturas, ideologias ou a evolução de paradigmas. São delineadas praticas construtivas, em que a harmonização de elementos naturais e materiais faz-se necessária. Detalhes relacionados ao plantio de espécies vegetais e ao desenho técnico são incorporados à paisagem para integração de pessoas e espaços. 

A lógica entra em contato com as aspirações criativas, o que revela um equilíbrio promissor para aquele que procura se integrar com a natureza.

Quando surgem os resultados finais, seja quais foram os meios e suas dimensões, o paisagismo nos mostra outros aspectos a serem refletidos, aprofundados. O sentido das coisas, a nossa função naquele espaço-tempo criado, a representatividade dos pequenos detalhes e a evolução natural da paisagem. Agora, somos criaturas e, sobretudo, criadores. Consequentemente, temos a responsabilidade de ir adiante ou, ao menos, preservar sua memória afetiva.

Nesse tempo, surgem "degraus" superiores de uma escada, o sentimento de contextualização intensifica-se e pequenas revelações ou "insights" podem ser revelados. Não adianta exemplificá-los aqui, até porque se trata de ato de análise muito particular. 

Assim, planejar, criar e se inserir cada vez mais nos diversos mundos da natureza tem suas peculiaridades. O paisagismo pode ser, sem dúvida, um dos caminhos iniciais para se alcançar uma consciência maior de tudo que nos cerca. A escolha é sua!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

SUPER DICA DE JARDINAGEM - COMO CALCULAR A QUANTIDADE DE MUDAS DE UM JARDIM ETC.

JARDINS DO SUL DA FRANÇA